E-familyblog
SEARCH THIS BLOG |  SEARCH ALL BLOGS |  DENOUNCE THIS BLOG |  NEXT BLOG    |  Create a Blog |  E-familyblog  

Spring Text - http://www.springtext.com

*


1464532 Visitas
Twitter Button from twitbuttons.com
Sobre o Autor

Olá... Sejam muito bem-vindos ao meu blog! Me chamo Bruna, tenho 25 anos, sou muito bem casada e extremamente feliz!!! Estou grávida da minha primeira princesinha, Yasmin e muito ansiosa pela sua chegada!!!

Contatar o autor
Temas
Gravidez anembrionária
Ser Mãe!
Casamento Feliz!
Anticoncepcional
Poemas
Dúvidas!!!!!
Entrevistas
Dicas
Histerossalpingografia
Toxoplasmose
Gravidez
Amamentação!
Depressão
Caso Real
Bronquite
S.O.P.
Descubra o sexo do seu bebê
Licença Maternidade
Resguardo
Doenças do Inverno
Tudo sobre TPM
Selinho
Fecundação e Nidação
Influenza A (H1N1) - Gripe Suína.
Lei Maria da Penha
Endometriose
Gravidez Ectópica
Filhos
Últimas notícias
GRAVIDÍSSIMA pela 2ª vez!
[10/01 22:28]
Por que o andador é contra indicado?
[25/03 17:33]
Um Ano Novo, cheio de prosperidade!!!!!
[31/12 17:31]
8 Dicas para o bebê dormir a noite inteira.
[30/10 21:17]
Quando meu filho vai dormir a noite toda?
[30/10 21:13]
   Veja quando o trabalhador tem estabilidade no emprego [20/04 13:13]   

Empregado com estabilidade só pode ser demitido por justa causa.
Mas, ao contrário do setor público, garantia do emprego é temporária.

Marta Cavallini Do G1, em São Paulo.

 

A legislação trabalhista assegura a empregados da iniciativa privada regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) direito a estabilidade no emprego, em que ele não pode ser demitido sem justa causa.

No entanto, ao contrário dos funcionários do setor público regidos pelo regime estatutário, a estabilidade no setor privado é provisória, ou seja, tem um período determinado para vigorar. No entanto, o funcionário que praticar atos que causem demissão por justa causa perdem imediatamente o direito à estabilidade.

Segundo o advogado Márcio José Mocelin, consultor das áreas trabalhista e previdenciária do Centro de Orientação Fiscal (Cenofisco), quem estiver enquadrado nos casos listados abaixo  e for mandado embora tem o direito de pedir o emprego de volta por meio de reclamação trabalhista na Justiça. “A estabilidade pode decorrer de lei ou de previsão no documento coletivo da categoria”, afirma.

Veja casos em que o trabalhador tem estabilidade no setor privado

Acidente de trabalho

O segurado que sofreu acidente do trabalho tem garantida, pelo prazo mínimo de 12 meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na empresa. A estabilidade para esse caso começa a partir do término do auxílio-doença concedido ao empregado que sofreu acidente de trabalho. Para ter direito à estabilidade de 12 meses é necessário que o afastamento por motivo de acidente seja superior a 15 dias (se for menor não há direito ao beneficio, pois nesse caso os dias que ficou sem trabalhar serão pagos pelo empregador) e o empregado acidentado tem, obrigatoriamente, de dar entrada ao pedido de auxílio-doença junto ao INSS. Se ele simplesmente deixar de trabalhar por mais de 15 dias e não dar entrada no beneficio não terá direito à estabilidade. Caso o empregado contraia alguma doença profissional e for comprovado que essa doença decorreu da atividade que desempenhava também terá direito ao beneficio.

Empregada gestante

Fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. Mesmo que o empregador não tenha conhecimento da gravidez da empregada, terá de reintegrar ao trabalho ou pagar a indenização decorrente da estabilidade em caso de demissão. E a gestante só pode voltar ao trabalho se a demissão ocorrer durante o período de estabilidade. Caso entre com uma ação trabalhista e a sentença do juiz se dê após o período de estabilidade, só será possível obter a indenização (pagamento de salários e demais direitos que receberia se estivesse trabalhando). Como são cinco meses de estabilidade, então teria direito a receber o valor do salário mais direitos multiplicado por 5. A empregada que ficar grávida durante o contrato de experiência não tem direito à estabilidade, já que o término do contrato não configura arbitrariedade, porque as partes têm conhecimento de que o contrato tem dia certo para terminar.

Membro da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – Cipa

Fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa do empregado eleito para cargo de direção de comissões internas de prevenção de acidentes, desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato. Ao suplente eleito na Cipa também se aplica a estabilidade provisória, conforme entendimento do Tribunal Superior do Trabalho, na Súmula nº 339. Mas se a empresa deixar de existir, fechar ou falir, o empregado eleito para a Cipa não terá direito a estabilidade e nem a indenização, pois a comissão somente tem razão de existir quando a empresa está em atividade. A estabilidade não se aplica ao empregado que representa o empregador perante a Cipa.

Dirigente sindical

Fica vedada a dispensa do empregado sindicalizado ou associado, a partir do momento do registro de sua candidatura a cargo de direção ou representação de entidade sindical ou de associação profissional, até um ano após o final do seu mandato, caso seja eleito, inclusive como suplente, salvo se cometer falta grave. Mas se o empregado fizer o registro da candidatura durante a vigência do aviso prévio, ainda que indenizado, não terá direito a estabilidade. O dirigente sindical somente poderá ser dispensado após conclusão do inquérito judicial para apuração da falta grave.

Representantes dos empregados membros da Comissão de Conciliação Prévia

É vedada a dispensa dos representantes dos empregados membros da Comissão de Conciliação Prévia (criada por alguns sindicatos para resolver questões relativas ao contrato de trabalho sem ter que se socorrer ao Judiciário), titulares e suplentes, até um ano após o final do mandato, salvo se cometerem falta grave.

Membros do Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS)

Aos membros eleitos para representar os trabalhadores no Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS), enquanto representantes dos trabalhadores em atividade, titulares e suplentes, é assegurada a estabilidade no emprego, da nomeação até um ano após o término do mandato de representação, somente podendo ser demitidos por motivo de falta grave, regularmente comprovada através de processo judicial.

Empregados eleitos diretores de sociedades cooperativas

Os empregados de empresas que sejam eleitos diretores de sociedades cooperativas por eles criadas gozarão das garantias asseguradas aos dirigentes sindicais pelo artigo 543 da Consolidação das Leis do Trabalho.

Membros do Conselho Curador do FGTS

Aos membros eleitos para representar os trabalhadores no Conselho Curador do FGTS, enquanto representantes dos trabalhadores, efetivos e suplentes, é assegurada a estabilidade no emprego, da nomeação até um ano após o término do mandato de representação, somente podendo ser demitidos por motivo de falta grave, regularmente comprovada através de processo sindical.

Documento coletivo da categoria

O direito à estabilidade pode ser garantido em cláusula no documento coletivo da categoria, como criar garantia de emprego para outros casos (estabilidade para quem está para se aposentar, por exemplo) e ainda aumentar o prazo da estabilidade.

Fonte: Márcio José Mocelin, advogado, consultor das áreas trabalhista e previdenciária do Centro de Orientação Fiscal (Cenofi

De acordo com o advogado trabalhista Leandro Antunes, atualmente é muito comum o juiz avaliar se para o empregado é melhor a reintegração ou indenização. “Na verdade, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), no artigo 496, prevê a possibilidade de concessão de indenização quando a reintegração for desaconselhável. É o que ocorre muitas vezes com empregada gestante que é demitida e realiza requerimento de reintegração. Se ficar constatado que o retorno ao emprego pode causar algum prejuízo à empregada, não teria o menor sentido reintegrá-la, sendo dessa forma melhor a indenização”, explica.

Marcelo Segal, juiz e professor do Centro de Estudos, Pesquisa e Atualização em Direito (Cepad), além dos casos previstos em lei, nada impede que a garantia no emprego seja estipulada contratualmente, quando as partes abdicam mutuamente do direito de romper o contrato de trabalho sem justa causa. “É comum acontecer quando o empregador pretende investir grande soma em dinheiro na formação, treinamento ou aprimoramento do empregado, mas deseja alguma garantia de que ele não irá se desligar logo depois da empresa e aceitar a vaga de um concorrente, levando o conhecimento adquirido para o novo emprego”.

Segal diz que a garantia no emprego, como o próprio nome diz, protege o emprego, e não é dado nem ao empregado nem ao empregador o direito de optar entre o retorno à empresa e o pagamento de indenização correspondente ao período de garantia. “A empresa não pode optar por dispensar o empregado estável pagando a indenização até o final do período da garantia do emprego, ainda que nesse caso provavelmente o empregado não iria à Justiça para reclamar. O máximo que conseguiria seria o retorno, pois a verba já teria sido paga”, diz.

De acordo com o juiz, o que a lei prevê e ampara é a manutenção do posto de trabalho enquanto perdurar a garantia, já que o trabalho gera salário que, normalmente, é a única fonte de sobrevivência do trabalhador.

“Existe, é verdade, uma faculdade deferida ao juiz de converter a reintegração em indenização, seguindo o artigo 496 da CLT, quando o magistrado entender desaconselhável o retorno, dependendo do grau de incompatibilidade das partes, especialmente quando o empregador for pessoa física”, explica.

“Havendo garantia, o empregado não poderá ser dispensado sem justa causa, mas poderá ocorrer a justa causa, pois estabilidade não é passaporte de impunidade nem autoriza a que o empregado deixe de cumprir suas obrigações”, conclui o juiz.



   Trackbacks

TRACKBACK URL: http://www.e-familyblog.com/trackback/20605

   Comentários
estava a fastado com depressão
eu trabalho em uma terceira,chama-se j.orion entrei a 03 de maio 2010: tenho 2 anos e fiquei a fastado por 2 meses por esta com depressão,e eu descobri na convenção de 2012 que a j.orion não estava agindo correto com os funcionarios,e fui ão sindicato sindeepres que e em taubate que nunca teria a parecido,na frente da noveles nunca colocou um a viso,sobre as leis da convenção,o empregador manda e dismada na impresa dele,e ate no sindicato e peguei a assinatura com rgs e nomes completos para correr a favor dos funcionarios que tem,uns 40 funcionarios,eeu estava representando e sem ser do sindicato e hj o empregador j.orion me demitiu e eu givanildo gostaria de saber se tem uma,lei que defenda o trabalhadorque estava a fastado por depressão,e voutou pegou ferias e foi mandado embora qual e meus direitos o empregador da j.orion assinou um termo de responsabilidade,diante de uma outra categoria de sindicato,por todos esta de greve,e ele assinou um documento,e disse que foi obrigado assinar,e ele e no documento tinha,142.00 reais de ajuda de custo,uma sexta basica no valor de 52.00 reais e uma plr de mil se ate o dia 31 de julho se ele não tivece uma proposta ele,teria que pagar mil reais e ate hojé não pagou gostaria de saber,se tem como ser revisto esta causa sendo que fui mandado em bora por isso tabem obrigado
Escrito por: Givanildo vieira da siva | 13/08 21:47

Dúvida
Eu sofri um acidente de transito enquanto voltava para o trabalho depois do almoço, fiquei de licença durante 10 meses, entretanto a empresa fechou, e agora quando me apresentei me disseram que iriam me dar as contas, mas quando foi no dia de fazer a recisao fui avisada que nao iria mais ser demitida pois querem me obrigar a trabalhar em outra area que nao é a minha. sou contratada para vender consorcio e financiamento de motos, todavia é para receber salario mais comissao, mas querem me colocar em um setor que vendas de outra empresa de um dos socios que é outro CNPJ. Como devo agir? Desde já obrigada!
Escrito por: tamiris | 11/08 4:29

Estabilidade de emprego
Fiz uma cirurgia patologia no período de férias, ao retornar no primeiro dia de trabalho fui demitida, sendo que ainda teria retorno médico, trabalhava na área da saúde. Não tenho direito a estabilidade?
Escrito por: Servilia Bezerra | 11/05 12:14

fui demitida
fui demitida apos retornar ao trabalho pois estava afastada por motivos de doença no dia em que voltei com restriçoes do medico minha chefe achou melhor me demitir e nao trocar de funçao como foi sugerido pelo medico como devo agir nesse caso el esta certa ou tenho direito a recorer ao sindicato?
Escrito por: claire ferreira | 11/04 3:28

ACIDENTE DE TRABALHO
OLA SOFRIR UM ACIDENTE DE TRABALHO NAO CHEGUEI A FICAR A AFASTADA NAO ESTAVA EM TRATAMENTO FUI DEMITIDA O QUE FAÇO
Escrito por: CRISTIANE | 28/12 15:47

estabilidade gestante
Gostaria de saber a empresa onde eu trabalho decretou falencia estou gravida de 6 meses quais os meus direitos, tenho direito a licença maternidade me respondem o mais rapido possivel estou desesperada!
Escrito por: vanda lima | 28/12 15:02

tô no auxilio doença e a firma falio
Oque devo fazer com a falecia da firma se ainda to no beneficio sem previsão de sair.Procurar logo um advogado ou ficar aguardando?Ajude-me com essa duvda.obrigado!
Escrito por: Chagas SIlva | 11/12 0:16

auxílio doença
meu namorado está afastado por auxilio doença e trabalha em um frigorifico. Ele tem instabilidade no emprego? Se sim de quanto tempo?
Escrito por: yara | 12/08 14:05

estabilidade do trabalhador
se a empresa está em franca-sp e fechar as portas, mas continua funcionando em outro estado, por exemplo em minas gerais, ela tem que pagar a indenização para o funcionário com estabilidade ou simplesmente não paga? se a empresa oferece uma vaga para este funcionário em outro estado e ele não aceita, ele perde o direitto da indenização da estabilidade?
Escrito por: celio carlos | 03/08 1:21

Estabilidade de emprego
Fui funcionario da RFFSA de 1982,e apos a privatização passei para ALL(America Latina Logistica)ate em abril de 1997. Onde atraves do PID (plano de insentivo a demissão)fui dispensado. E a duvida que tenho e muitos outros colegas, é que na epoca a ALL não acertou nada conosco em relaçao a estabilidade de emprego que tinhamos quando entramos na RFFSA. E segundo informações que tivemos, funcionarios de outras empresas ferroviarias receberam essa indenisação e nós da ALL tanto os que opetaram pelo PID como os que foram dispensados nada receberam, (e são muitos)e nõs perguntamos se realmente temos esse direito por já se passar muito tempo. E no meu caso, saí da ALL em abril e em julho do mesmo ano fui convocado para prestar seerviço através da empresa terceirizada que eu mesmo abri em mue nome fazendo o mesmo serviço que é em manutenção em vagões até em maio de 2010. Solicitamos informações a respeito através dos seus conhecimentos. Abraços Wilson Train (47)8411-9902 (47)3642-8100
Escrito por: Wilson Train | 03/04 23:10

duvida
eu queria saber se processar a empresa em que eu trabalho por motivos justos,se eu tenho direito de estabilidade no emprego. obrigado
Escrito por: eder | 24/01 18:04

Dúvida
Quando o funcinário coloca a empresa na justiça, ainda trabalhando, tem estabilidade?
Escrito por: Rosana | 08/09 18:18

auxilio-doença
fui demitido no auxilio doença previdenciartio, no meio desse beneficio eu me candidatei a direção do sindicato, me cabe reintegração
Escrito por: ricardo | 06/07 14:13






Digite abaixo seu e-mail:

Delivered by FeedBurner


Visit Comunidade Crescer
Nossos Recadinhos


Os meus Atalhos
Blogs Interessantes, que amo de paixão!!!!




Não esqueça de comentar!!!

Últimas Fotografias
A service of e-familyblog.com, powered by E-familynet Networks

My Stick Family from WiddlyTinks.com